Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial
Início do conteúdo da página

Perguntas e Respostas frequentes sobre COVID-19

Escrito por Coordenadoria de Comunicação Social | Publicado: Segunda, 19 de Julho de 2021, 09h43 | Última atualização em Quarta, 15 de Dezembro de 2021, 10h40

1. O que é COVID-19?

É uma doença infecciosa causada pelo novo coronavírus SARS-COV-2, que apresenta uma grande variação de apresentações variando de formas assintomáticas e leves até doenças graves como Síndrome Respiratória Aguda Grave.

 

2. Como ocorre a transmissão do vírus SARS-COV-2?

A transmissão do novo coronavírus ocorre de pessoa para pessoa através da inalação de gotículas respiratórias contaminadas como saliva, tosse, catarro, espirro. Também pode ocorrer por contato pessoal como toque ou aperto de mão ou com objetos e superfícies contaminadas, seguidos de contato com boca, nariz ou olhos.

 

3. Quais os sintomas mais frequentes de COVID-19?

O quadro clínico da COVID-19 é muito variável porém os sintomas mais frequentes são: febre, obstrução nasal, dor no corpo, dor de cabeça, fadiga, tosse seca, dor de garganta, falta de ar, alteração no olfato e no paladar, diarréia, vômitos e em casos mais graves insuficiência de múltiplos órgãos, insuficiência respiratória e choque.

Em idosos o quadro pode cursar com apenas diminuição do sensório e em crianças pode-se observar o batimento das asas do nariz como sinais e sintomas de COVID-19.

 

4. Após o contato com o SARS-COV-2 quando aparecem os sintomas?

O período de incubação varia de 1 a 14 dias, porém geralmente os sintomas ocorrem entre 3º e 4º dias após infecção.

 

5. Em caso de suspeita de COVID-19 como devo proceder?

A Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul (SES) conceitua como síndrome gripal a presença de pelo menos dois sintomas: febre, obstrução nasal, dor no corpo, dor de cabeça, fadiga, tosse seca, dor de garganta, falta de ar, alteração no olfato e no paladar, diarréia, vômitos e, em casos mais graves, insuficiência respiratória, insuficiência de múltiplos de órgãos, choque. Na presença de sintomas é importante que a pessoa não vá trabalhar ou estudar e procure atendimento médico para avaliação adequada e orientações diagnósticas e terapêuticas.

 

6. Quanto tempo preciso ficar isolado se apresentar diagnóstico COVID-19?

Após o diagnóstico de COVID-19 (Laboratorial, Clínico, radiológico ou Epidemiológico) a pessoa deve permanecer isolada por 10 dias a partir do início dos sintomas ou da data em que realizou o exame laboratorial, e com melhora da febre e sintomas há pelo menos 24h.

 

7. Se meu resultado laboratorial for negativo, mesmo com sintomas posso descartar que estou com COVID-19?

Nenhum exame é 100% acurado. Os exames laboratoriais para detecção COVID-19 devem ser interpretados com cuidado de acordo com o tipo de exame e o tempo de sintomas. Mesmo assim podem haver exames falso negativos. Por isso, é importante que haja acompanhamento médico para que a condição seja confirmada e descartada. Na dúvida, mantenha-se em isolamento por 10 dias, e sem febre por 24h e melhora parcial dos sintomas.

 

8. Como devo proceder caso eu tenha contato sem máscara com uma pessoa com COVID-19?

Para a SES, é considerado contactante não domiciliar aquela pessoa que permaneceu mais de 30 minutos em ambiente em uma distância inferior a 1,5m, sem máscara ou com uso inadequado da máscara. Caso isso ocorra, se estiver assintomático, não há recomendação de afastamento, porém deve intensificar os cuidados com uso de máscara, distanciamento social e observar quaisquer sintomas por 14 dias. É possível realizar RT-PCR para COVID-19 no 5º dia após exposição para identificar a infecção precoce ou assintomática após contato.
Caso fique sintomático ou teste positivo, deve se afastar do trabalho por 10 dias e procurar atendimento médico para orientações diagnósticas e terapêuticas.

 

9. Por quanto tempo posso sentir sintomas após ter contraído COVID-19?

Já se sabe que algumas pessoas podem sentir sintomas persistentes de 3 a 6 meses. Tais manifestações são chamadas de Síndrome Pós-COVID-19. Fazem parte dessa síndrome: fadiga, tosse seca, dispnéia, depressão, déficit de memória, alteração de olfato e paladar. É importante que as pessoas procurem assistência médica mesmo após período de convalescência do covid-19 para acompanhamento.

 

10. Devo ficar isolado caso alguém da minha família ou que eu resida fique doente com COVID-19?

Sim. Contatos domiciliares devem ficar afastados por 14 dias e observar sintomas. Caso apresente sintomas deve procurar atendimento médico para orientações terapêuticas e diagnósticas.

 

11. Quem é considerado grupo de risco para formas graves de COVID-19?

São considerados grupo de risco: Idosos, portadores de doenças cardiovasculares crônicas, de doenças pulmonares crônicas, de doenças neurológicas, diabéticos, pacientes oncológicos, pacientes hematológicos, pessoas imunodeprimidas, obesos e gestantes.

 

12. Qual é o tratamento para o COVID-19?

Até o momento não existe tratamento para diminuir ou cessar a replicação viral para COVID-19. O tratamento consiste em sintomáticos e em casos mais graves uso de corticóide, profilaxias, suporte vital, oxigênio e tratamento intensivo de complicações como insuficiência respiratória, renal ou choque.

 

13. As vacinas contra-COVID-19 são seguras?

O Programa Nacional de Imunização (PNI) disponibiliza, até o momento, as vacinas Astrazeneca/Oxford, Pfizer (BioNTech), Janssen (Johnson e Johnson) e Coronavac (Butantan), com registros definitivos ou aprovadas para uso emergencial pela ANVISA, com eficácia e segurança avaliadas (bulas disponíveis para consulta na internet).

 

14. Quanto tempo após aplicação da vacina posso estar imunizado?

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), após a aplicação da segunda dose, ou dose única, conforme recomendada pelo fabricante, o intervalo de tempo para que o organismo dê uma resposta imunológica protetora gira em torno de 10 a 20 dias. Deve-se considerar as orientações dos órgãos de saúde quanto a necessidade e período para receber a dose de reforço. Embora a primeira dose possa induzir o organismo a produzir anticorpos, o faz em quantidade insuficiente para garantir imunização.

Mesmo com duas doses e reforço quando necessário, é importante enfatizar que não existe vacina 100% eficaz e apesar da imunização correta e com detecção de anticorpos neutralizantes, existe a possibilidade de contágio e contaminação, porém na maioria casos leves com diminuição expressiva de necessidade de internação e importante redução do risco de morte.

 

15. Após a imunização completa contra-covid-19 posso aglomerar e abandonar medidas de distanciamento social, uso de máscara e higiene das mãos?

Enquanto não tivermos uma expressiva parcela da população vacinada e redução dos indicadores de controle da pandemia não é aconselhável abandonar medidas de distanciamento social, uso de máscara, higiene das mãos e toalete respiratório.

 

16. Existe vacina contra COVID-19 para pessoas menores de 18 anos?

O Ministério da Saúde recomenda a vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos. A imunização deve ser feita com o imunizante da Pfizer (BioNTech) o único aprovado pela Anvisa para este público até o momento.

 

17. Quais os exames devo realizar para fazer diagnóstico laboratorial de COVID-19? Qual o período ideal?

Os exames laboratoriais são:

RT-PCR para COVID-19: deve ser realizado entre 3 e 5 dias após início dos sintomas

Teste rápido de Antígeno para COVID-19: 3-5 dia após início dos sintomas

Teste imunológico: detecta anticorpos Ig G e Ig M, não são indicados para diagnóstico. Devem ser realizados a partir de 10 dias após contato, preferencialmente com 15 dias.

 

18. O IFSul apresenta Plano de Contingência para COVID-19?

O IFSul apresenta PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA PREVENÇÃO, MONITORAMENTO E CONTROLE DO NOVO CORONAVÍRUS – COVID-19 DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE que orienta medidas de importantes para contenção da disseminação da COVID-19 em suas unidades. Cada unidade também desenvolverá seu plano específico a fim de abranger as particularidades de cada local.

 

19. O IFSul tem desenvolvido atividades presenciais?

O IFSul, por conta da Resolução Consup Nº 62/2021, encontra-se em fase de retorno gradual de suas atividades presenciais. Após a Fase 1 (atividades essenciais) e Fase 2 (atividades excepcionais), as Unidades do IFSul possuem autonomia para ingressar na Fase 3, que visa a ampliação das atividades presenciais em cada unidade, respeitando as condições estabelecidas no Plano de Contingência do IFSul e dos respectivos câmpus.

 

20. Quais atividades educacionais estão sendo desenvolvidas pelo IFSul?

A depender da Fase implementada por cada Unidade, conforme estabelecido na Resolução Consup Nº 62/2021, são realizadas atividades educacionais remotas e atividades educacionais presenciais.

 

21. Quais as atividades o IFSul tem desenvolvido para comunidade?

O IFSul desenvolveu uma série de atividades comunitárias como por exemplo: disponibilizou subsídios para inclusão digital de alunos para realização de aulas remotas, distribuiu cestas- básicas para alunos carentes, confeccionou face shield para proteção de profissionais da área da saúde, proveu envazamento de álcool glicerinado a 70% para hospitais e instituições de saúde, participou ativamente do programa de vacinação municipal com empréstimo de infraestrutura e profissionais etc.

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página